PLAYLIST

quinta-feira, 2 de abril de 2015

"Negro" by Langston Hughes


I am a Negro:
Black as the night is black,
Black like the depths of my Africa.

I’ve been a slave:
Caesar told me to keep his door-steps clean.
I brushed the boots of Washington.

I’ve been a worker:
Under my hand the pyramids arose.
I made mortar for the Woolworth Building.

I’ve been a singer:
All the way from Africa to Georgia
I carried my sorrow songs.
I made ragtime.

I’ve been a victim:
The Belgians cut off my hands in the Congo.
They lynch me still in Mississippi.

I am a Negro:
Black as the night is black,
Black like the depths of my Africa.

Fonte: Hughes, Langston. Vintage. New York: Vintage Books, 2004.

  

"Hold fast to your dreams,                                                      
       
for if dreams die, is a  broken winged 


                                        bird that life cannot fly"  


                                                                                  (Langston Hughes)

O poema acima foi escrito pelo poeta Langston Hughes (Joplin, Missouri, EUA 1 de fevereiro de 1902 - Nova York, 22 de maio de 1967). O tema se justifica por ele ter vivido no período da Harlem Renaissance, na década de 1920. Nessa época, os negros se manifestavam contra o racismo através da arte, da literatura e da música.
O poema "Negro", como outros do autor, não só refletem a história dos afro-americanos, como também as provações e sofrimentos a que foram submetidos e que continuam a sofrer no presente.

O eu lírico do poema "Negro" tem uma visão pessimista da situação do povo africano ao longo da história, e  retrata o sofrimento desse povo. Hughes fala sobre as discriminações diversas sofridas por ele e sua raça. Ele se descreve como um escravo, trabalhador, cantor e vítima dessa sociedade preconceituosa.

Hughes faz alusões à Julius Caeser, George Washington, e do edifício Woolworth para mostrar a importância dos negros ao longo da história. Podemos sentir sua ânsia para mudar essa sociedade desigual, como na sua citação acima, traduzida aqui para melhor compreensão.  Agarre-se a seus sonhos, pois, se eles morrerem, a vida será como um pássaro de asa quebrada, incapaz de voar."

Enquanto eu lia o poema, me remeteu para Martim Luther King  e  seus esforços que o levaram à Marcha sobre Washington de 1963, onde ele fez o seu discurso "I Have a Dream" e Nelson Mandela, os quais dedicaram suas vidas para erradicar o preconceito e unir as raças como igualitárias, com os mesmos direitos e deveres. 

Nós leitores, ao lermos o poema,  podemos sentir a ânsia e o sofrimento do poeta e do homem Langston, como no verso "The Belgians cut off my hands in the Congo".  Em suas palavras que me soam como soluços, como ele descreve as diferentes funções de um "negro". Esse poema mostra as adversidades pelas quais  os seus antepassados enfrentaram para que seu povo pudesse ter a liberdade que há hoje.



Vejam que o poema I dream a World é o oposto do Negro. Nele, o eu lírico se mostra esperançoso em relação ao futuro. Na sua visão, um dia haverá igualdade entre os povos, e o preconceito racial será superado, sendo lembrado apenas como um fantasma do passado.

Quer saber mais, leia<http://en.wikipedia.org/wiki/Langston_Hughes>

Nenhum comentário: