PLAYLIST

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Family by Michelle Peters

O comentário abaixo não é uma análise técnica do poema, mas apenas o meu ponto de vista. E neste, uso algumas metáforas para explicá-lo.


A família é, sem dúvida, nosso porto seguro durante toda a nossa vida. Não interessa se ela é pequena ou grande, pobre ou rica, ela estará sempre nos apoiando e nos ajudando a superar adversidades, nos ensinando a viver e a vencer. Porém, infelizmente, hoje a família está perdendo espaço para as novas tecnologias, como por exemplo, os celulares de última geração. As famílias não dialogam mais, elas clicam o tempo inteiro em todos os lugares, uma total falta de respeito e consideração com quem está presente.


O poema  aborda o relacionamento/laço (tie) familiar sob um aspecto positivo, o que pode ser subentendido através das palavras (tie, rock, mend, light).


A família  é vista como um elo forte que dá sustentabilidade  quando você está prestes a fracassar. Eles são amigos que estarão sempre com você. A palavra rock (rocha) representa essa solidez que abraça você quando está prestes a flutuar ou desviar-se do caminho, fazendo com que você retorne e comece novamente.

E quando a vida trata você asperamente (rough) a família ajuda você a superar as mágoas e a aliviar seu coração despedaçado (broken). E mesmo que você  se aborreça, lute e nem sempre haja concordância,  no escuro (dark) eles são a luz (light) que iluminam o caminho (path) para você ver e trilhar a cada tropeço.

Nas linhas 7 e 8, a autora mostra que a família ajuda a encontrar o caminho novamente quando tudo dá errado. Ela brinca com jogos de palavras, usando seus contrários, como em:
1.     Lost X found
2.     Hold down X float away
3.     Continue down the right path X go astray
4.     Dark X light

Valorize a sua família, ame-a de forma incondicional, mas esforce-se, dê seu máximo, tenha ações de conquista e renovação, diga para ela hoje o que amanhã poderá~não mais ser possível.

Extracted from <www.familyfriendpoems.com/family/poetry.asp?poem=32>. Acessed on September 21, 2015.

Nenhum comentário: