PLAYLIST

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

“Desenganos da vida humana, metaforicamente”



Odete Soares Rangel


É a vaidade, Fábio, nesta vida,
Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
Airosa rompe, arrasta presumida.
É planta, que de abril favorecida,
Por mares de soberba desatada,
Florida galeota empavesada,
Sulca ufana, navega destemida.
É nau enfim, que em breve ligeireza
Com presunção de Fênix generosa,
Galhardias apresta, alentos preza:
Mas ser planta, ser rosa, nau vistosa
De que importa, se aguarda sem defesa
Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?

(Gregório de Matos)
O soneto em seu título faz alusão a metáfora. Mas o que quer dizer com desenganos da vida humana? Desengano significa desilusão, a vaidade é um desses desenganos, esse desejo de admiração pode até se concretizar, mas com a mesma rapidez que surge, esvai-se como a vida com sua finitude, deixando um imenso vazio, um desejo de algo real. A efemeridade e a finitude da vida permeiam o soneto e levam a um questionamento, de que vale ser vaidoso, se a morte é inexorável ?

É no trinômio efêmerorosa, planta e nau (metáforas da vaidade) que o poema se desenvolve. E também que o poeta explica a Fábio o que é a vaidade. Afirma que ela é rosa (primeiro quarteto), que é planta (segundo quarteto) e que é nau (primeiro terceto). 

Mas vejam o ambiente dessa rosa, ela é especial, está desabrochando, é real, enquanto que a vaidade é a beleza aparente que seduz, brilha como púrpura, mas tem um efeito passageiro.

A vaidade é planta, e por ser primavera sua aparência é mais viçosa. Assim, a vaidade é esplendor que se exibe pela vida com orgulho, mas que sempre tem um fim próximo.

Mas quando ele afirma que ela é nau, quer mostrar que o ser humano  vaidoso embora tenha a presunção da perpetuidade, valoriza os brilhos exteriores, porém efêmeros.

(Penha a nau, ferro a planta, tarde a rosa?) Vejam que há uma inversão na ordem dos termos que eram rosa, planta e nau, o que pode indicar um desejo de renascimento. O soneto acaba com um ponto de interrogação como que para levar o leitor a buscar a compreensão do poema, como que implorando para que ele veja que o poema tem muito mais significado do que o expresso nessas palavras, fios condutores do soneto.  Entretanto, resume os acontecimentos penha indicando o naufrágio do navio, ferro o corte da planta, e tarde o murchar da rosa (durante o dia está em todo o seu esplendor, brilhando como o sol) ratificando a efemeridade da vida dos seres.

Esse soneto permeado de metáforas deixa um questionamento real. O que quero para minha vida? Ser vaidoso ou eu mesmo?  O que de fato preencherá minha alma e alimentará meu espírito Pois é isso que vai contar na hora da partida.  Pense nisso!
Vocabulário:
  • Airosa = esbelto, gracioso
  • Soberba = orgulho, altivez
  • Galheota = pequena embarcação a remo, usada para o transporte do rei.
  • Presumida = vaidosa
  • De abril favorecida = favorecida pela primavera que inicia em abril na Europa.
  • Empavesado = enfeitado, adornado, guarnecido de paveses (=proteção nas embracações)
  • Ufana = que se orgulha de algo, vaidoso
  • Fênix = divindade da mitologia egípicia, símbolo da imoertalidade, personificada em uma ave que renascia das próprias cinzas.
  • Galhardia = garbo, elegância
  • Aprestar = preparar com prontidão
  • Alento = sopro, bafejo
  • Penha = penhasco, rochedo
Fonte da Poesia e Vocabulário: 
PLATÃO & FIORIN. Para entender o texto: leitura e redação. 2.ed. São Paulo: Ática, 1997.

Nenhum comentário: