PLAYLIST

sábado, 3 de novembro de 2012

O William Wilson que habita em Allan Poe

Odete Soares Rangel


Hoje quero falar para vocês do William Wilson de Allan Poe, um pouco menos de crueldade daquela que contei para vocês em The Black Cat. Estou lendo o livro da Antologia de contos extraordinários dele, William Wilson ocupa as páginas de números 91 a 115.  É um conto bastante rico para uma análise.

Mas antes é bom relembrar algumas vivências do escritor  que marcaram sua vida e obras. Edgar Allan Poe (19.01.1809 - 07.10.1849), nasceu em Boston, mas viveu  em Richmond e na Inglaterra, com a família que o adotara. Nesta última, ele estudou em escolas particulares de Stoke-Newington,  subúrbio de Londres. De volta aos EUA estudou na Universidade da Virgínia (fundada por Thomas Jefferson).

Poe não tinha uma conduta tão regrada, indiferente ao convencionalismo entre seus colegas, bebia, jogava e blasfemava, o que provocou sua expulsão, já que os escândalos chegaram até as famílias aristocráticas, pais dos colegas.

A notícia desagradou sua família, ele que já estava em atrito com o padastro por causa de jogos, foi obrigado a deixar Richmond, e retorna para Boston. Lá, publicou Tamerlane e Outros Poemas, em 1827. Nesse mesmo ano, alistou-se no exército sob o nome de Edgar A. Perry. Durante dois anos, agiu de forma mais ou menos normal, chegou a ser promovido ao posto de primeiro-sargento, embora não fosse um adepto da disciplina militar. Assim acabou sendo expulso das fileiras. Recorreu a John Allan para ingressar na Academia Militar de West Point, sendo expulso um ano depois por não sujeitar-se a obedecer ordens e ter negligenciado no cumprimento dos seus deveres.  Nessa época, casou-se com sua prima Virgínia Clemm, em cuja casa vivia. Ela fora a inspiradora de algumas palavras de amor escritas em língua inglesa.  Mas a venda das suas obras sequer supriam as necessidades básicas deles.

Pouco antes de ingressar em West Point, publicara sua segunda obra  de poesias, cuja segunda edição deu-se em 1831. Nela, os poemas Israfel e Para Helen abriram seu caminho de poeta. Mas somente dois anos depois impressionara por sua literatura e recebe o prêmio por Um Manuscrito encontrado numa garrafa.  Nessa época morava com a tia em Baltimore, e os que se dedicavam à literatura viviam tempos difíceis.  Os ingleses criticavam duramente a literatura americana.  Em janeiro de 1820, 13 anos depois de Poe escrever Um Manuscrito encontrado numa Garrafa, o crítico Sydney Smith afirmara em um artigo que escrever para a Edinburgh Review que os americanos não tinham feito absolutamente nada pelas ciências, pelas artes ou pela literatura. Imaginem a indignação que isso causou aos intelectuais americanos. Eles abafaram as críticas lançando sucessivas obras.  

Poe, em 1847, dois anos antes de sua morte, já tinha histórias suas traduzidas para o francês. E foi lendo-as que Charles Baudelaire mostrou-se fascinado  pela genialidade da obra do escritor, passou a traduzir contos e ensaios dele de A queda da Casa de Usher. 

E foi em O princípio poético, A filosofia da composição e O racional do Verso que Poe estabeleceu seu credo de liberdade poética.  Ela contrapunha o poema a um trabalho científico, entendia que o poema visava o prazer indefinido, não a verdade do romance.

The Raven (O Corvo), seu poema imortal, fora modificado durante 10 anos e vendido por uma "ninharia" de 10 dólares.
      The Raven *
      (by Edgar Allan Poe,
      first published in 1845)
    Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
    Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
    While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
    As of someone gently rapping, rapping at my chamber door.
    " 'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door;

    Only this, and nothing more."Ah, distinctly I remember, it was in the bleak December,
    And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
    Eagerly I wished the morrow; vainly I had sought to borrow
    From my books surcease of sorrow, sorrow for the lost Lenore,.
    For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore,
    Nameless here forevermore.And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
    Thrilled me---filled me with fantastic terrors never felt before;
    So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
    " 'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door,
    Some late visitor entreating entrance at my chamber door.
    This it is, and nothing more."Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
    "Sir," said I, "or madam, truly your forgiveness I implore;
    But the fact is, I was napping, and so gently you came rapping,
    And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
    That I scarce was sure I heard you." Here I opened wide the door;---
    Darkness there, and nothing more.Deep into the darkness peering, long I stood there, wondering, fearing
    Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;
    But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
    And the only word there spoken was the whispered word,
    Lenore?, This I whispered, and an echo murmured back the word,
    "Lenore!" Merely this, and nothing more.Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
    Soon again I heard a tapping, something louder than before,
    "Surely," said I, "surely, that is something at my window lattice.
    Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore.
    Let my heart be still a moment, and this mystery explore.
    " 'Tis the wind, and nothing more."Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
    In there stepped a stately raven, of the saintly days of yore.
    Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
    But with mien of lord or lady, perched above my chamber door.
    Perched upon a bust of Pallas, just above my chamber door,
    Perched, and sat, and nothing more.Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
    By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
    "Though thy crest be shorn and shaven thou," I said, "art sure no craven,
    Ghastly, grim, and ancient raven, wandering from the nightly shore.
    Tell me what the lordly name is on the Night's Plutonian shore."
    Quoth the raven, "Nevermore."Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
    Though its answer little meaning, little relevancy bore;
    For we cannot help agreeing that no living human being
    Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door,
    Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
    With such name as "Nevermore."But the raven, sitting lonely on that placid bust, spoke only
    That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
    Nothing further then he uttered; not a feather then he fluttered;
    Till I scarcely more than muttered,"Other friends have flown before;
    On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
    Then the bird said,"Nevermore."Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
    "Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store,
    Caught from some unhappy master, whom unmerciful disaster
    Followed fast and followed faster, till his songs one burden bore,---
    Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
    Of "Never---nevermore."But the raven still beguiling all my fancy into smiling,
    Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;,
    Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
    Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore,
    What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
    Meant in croaking, "Nevermore."Thus I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
    To the fowl, whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
    This and more I sat divining, with my head at ease reclining
    On the cushion's velvet lining that the lamplight gloated o'er,
    But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o'er
    She shall press, ah, nevermore!Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
    Swung by seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
    "Wretch," I cried, "thy God hath lent thee -- by these angels he hath
    Sent thee respite---respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
    Quaff, O quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!"
    Quoth the raven, "Nevermore!""Prophet!" said I, "thing of evil!--prophet still, if bird or devil!
    Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
    Desolate, yet all undaunted, on this desert land enchanted--
    On this home by horror haunted--tell me truly, I implore:
    Is there--is there balm in Gilead?--tell me--tell me I implore!"
    Quoth the raven, "Nevermore.""Prophet!" said I, "thing of evil--prophet still, if bird or devil!
    By that heaven that bends above us--by that God we both adore--
    Tell this soul with sorrow laden, if, within the distant Aidenn,
    It shall clasp a sainted maiden, whom the angels name Lenore---
    Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels name Lenore?
    Quoth the raven, "Nevermore.""Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting--
    "Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
    Leave no black plume as a token of that lie thy soul spoken!
    Leave my loneliness unbroken! -- quit the bust above my door!
    Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
    Quoth the raven, "Nevermore."And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
    On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
    And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming.
    And the lamplight o'er him streaming throws his shadow on the floor;
    And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
    Shall be lifted--- nevermore!  (http://www.insite.com.br/art/pessoa/coligidas/trad/theraven.php)

    Você pode ler o conto original completo em: http://www.rodrigomedeiros.com.br/doubleyou/downloads/william-wilson-pt-br.pdf

    Resumo do conto:
Conseguiram alugar uma casa em ruínas,  passavam fome, os vizinhos penalizados enviavam alimentos.  Virginia morre tuberculosa, tapada com trapos e um velho capote militar, mas sua história de amor foi eternizada por Poe num poema.

A obra dele é marcada pela solidão do homem, pela inutilidade de esforços, e pelo remorso por uma vida arruinada. Seus versos habitados por fantasmas, espectros, coisas sobrenaturais, pássaros agourentos era como viver numa terra de sonhos povoada por monstros de toda a espécie. A exemplo de gato preto, suas histórias criavam mundos de horrores, nas quais a morte e a decomposição eram recorrentes.

Ele defendia a brevidade e a a unidade de impressão, caraterísticas que julgava essenciais para se es rever um bom conto. 

Seu processo criativo nunca mais foi como o de antes, após a morte de Virginia.  Em 1849 parte para Richmond e quis rever alguns amigos, entre os quais John Sartain que percebeu o desequilíbrio mental de Poe.  E como sabemos quando a tristeza se instala em nosso ser, a morte vem aos poucos. Em 3 de outubro desse mesmo ano, encontraram-no desfalecido numa rua de Baltimore. Conduzido a um hospital, morrera quatro dias depois.

Você pode ler o conto William Wilson, meu escolhido para divagações, no link http://www.rodrigomedeiros.com.br/doubleyou/downloads/william-wilson-pt-br.pdf.

Esse conto é tão rico para uma análise, que comecei a viajar nas letras à medida em que ia lendo. Assim, decidi dividir com você minhas trans-loucuras literárias, se é que assim podem ser chamadas. Certa vez escrevi um poema em que eu dizia vou viajar no tempo, no espaço, em você. Agora vou viajar pelo conto de Poe, sem ater-me a técnicas, mas tão somente ao sentir.

O eu poético começa mudando seu nome para William Wilson por não considerá-lo digno de ocupar uma folha em branco, cor representativa da pureza, devido à sua vida maculada.

O poeta se confunde com o homem, cuja vida desregrada desagrada a família em função das infâmias por ele cometidas.

"O proscrito mais abandonado..." Proscrito no dicionário significa banido, desterrado, exilado, expulso. Ele fora adotado, mas por suas atitudes indignas,  em determinado momento foi obrigado a mudar-se. Imagino que possa ser uma alusão a esse afastamento da família, e depois a essa ruptura com a mudança. E a nuvem densa que povoa o homem poderia dissipar-se cedendo lugar ao sucesso do escritor.

Ele passa da perversidade a passo de gigante, aludindo essa grandeza a Heliógabalo ( imperador romano perverso), assim foi sua literatura que tinha pouca expressão e depois ganhou notoriedade.

A proximidade com a morte faz-lhe refletir e desejar ser compreendido por seus semelhantes, o que parece uma necessidade de aliviar sua consciência e suavizar seu coração. Queria que vissem suas atitudes indignas como ações que fugiram ao controle humano, ele era a vítima desse sistema, não conseguiu resistir as tentações.

Acidente único que trouxe a maldição....

Questiona sua existência. Seria real ou produto de um sonho. Estaria morrendo vítima dos horrores e mistérios que ele próprio criara. 

Ao mesmo tempo que se diz nascido de uma família de caráter imaginativo e impressionante, diz serem fracos e por isso não puderam detê-lo em suas infâmias. Suas  tentativas fracassadas levaram-no a sentir-se triunfante, passou então a exercer seu livre-arbítrio e tornou-se dono de suas ações, exceto de nome. 

Em suas primeiras impressões de estudante, fica encantado com  a casa antiga e estranha em estilo elisabetano, parecia ser um lugar de sonho.  Ele cria uma atmosfera agradável da cidade, cujo silêncio é quebrado pelo badalar dos sinos. 

Mas essa casa logo é colocada como um forte, digna de uma prisão, que lhe impunha limites aos quais não estava acostumado.

Há um paradoxo entre sua veneração pelo diretor da escola e sua decepção ao vê-lo, de forma irascível, executar as leis draconianas (severas)  da escola. A expressão "Oh! Gigantesco paradoxo cuja monstruosidade exclui toda a solução." Pode ser uma alusão a destruição da imagem positiva que ele tinha desse mestre.

A porta era severa, inspirava um sentimento de terror,  mas tinha um que de mistério. Mostra-se feliz ao sair dali para ir para casa em férias. A casa estranha e antiga era considerada por ele um palácio, mas um palácio imenso e com uma desordem arquitetural que não lhe permitia precisar a localização do seu quarto. Possuía acessos limitados, como era o caso do terraço do pátio onde havia arbustos, só podiam adentrar lá no primeiro e último dia na escola, ou quando parentes e amigos mandavam chamá-los. Do contrário era um recanto sagrado, inacessível. 

A sala de estudo era gigante, nela havia um sanctun (3m) ocupado pelo diretor - o Reverendo Dr. Branskby - o canto de onde emanava o terror. Se abrissem a porta  na sua ausência, a punição era severa.

Espaços menos nobres e com menor grau de terror eram destinados ao professor de humanidades e o outro ao professor de English e Matemática.

Numa extremidade da sala havia um enorme balde cheio de água e na outra um imponente relógio, símbolos que demarcavam os limites da disciplina.

Apesar da estrutura pesada da escola, Wilson passa sem tédio ou repulsa, eis que a monotonia dessa era repleta de excitações mais intensas do que as sensações obtidas com suas infâmias.

Ele fugia a regra geral, suas lembranças da infância eram tidas como exergues das medalhas cartaginesas (duradouras).

Suas poucas lembranças reais estão vinculadas a escola, tudo se resumia a ordens a serem cumpridas e proibições, as quais não lhe agradavam, pois sua natureza era vibrante (ardente, entusiasta, imperiosa) e sua superioridade conquistada junto aos colegas, exceto um.

Esse tinha seu mesmo nome de batismo e de família. Era seu oponente em tudo (estudos, jogos, discussões, não aceitar sua ditadura). A rebeldia de Wilson o intimidava, mostrava-se superior a ele, mas sua ambição era pequena, dedicava-se a opor-se a ele e a aterrorizá-lo. 


E para irritá-lo mais, na escola pensavam que eram irmãos. Nasceram na mesma data (19.01.1813), apesar das disputas entre ambos, ele não o adiava, e até tinha um desejo reprimido de conquistar sua amizade. Embora em meio a animosidade, por vezes Wilson apresentasse ares de afetividade. Eram inseparáveis, apesar de tudo.

Nos ataques diretos ou dissimulados a Wilson, não sentia-se triunfar por completo, pois Wilson mantinha a calma, fugia do ridículo, não mostrava seu calcanhar de Aquiles (ponto vulnerável segundo a lenda).  O único ponto fraco de Wilson era seu tom baixo de voz, do qual o outro tirou proveito. Mas Wilson também descobriu seu ponto fraco, o ódio pelo nome de batismo e família e começou a atormentá-lo. 

Considerava Wilson uma perfeita imitação de si mesmo. Dizia que o imitava em tudo (traje, andar, clave da voz, atitude geral) menos nas infâmias, fato que repudiava.

A proteção de Wilson se dava através de conselhos, recebidos com repugnância, mais tarde reconhecidos de extrema valia, pois poderiam tê-lo tornado uma pessoa melhor se os tivesse aceito e praticado. A vigilância de Wilson provocava-lhe ódio, esse percebendo fingiu evitá-lo. Discutiram, nessa ficou a sensação de tê-lo conhecido num passado distante. Nesta passagem fica marcado o seu último encontro com seu homônimo.

Certa noite, dirigiu-se ao quarto do rival para aplicar-lhe uma peça de mau gosto, há muito planejado. Surgiu uma luz viva sobre Wilson, e o corpo do outro foi entorpecendo, sendo desviado do seu plano diabólico. Fora tomado de um horror inexplicável e saiu da escola para onde nunca voltou.

Suas semelhanças (nome, idade, traços, data entrada na escola, imitação de maneiras, clave de voz, andar e costumes) o irritavam profundamente. Queria ser superior a Wilson, mas esse não deixava-se dominar.

Alguns meses depois vivendo com os pais, é mandado para o colégio de Eton. O turbilhão de loucuras em que mergulhara, agora o remetia aos desregramentos infames e incontidos do passado.

Foram três anos de loucura, nesses um dia, levou um grupo de estudantes dissolutos para uma orgia secreta em seu quarto. O vinho corria livremente, seduções ainda mais perigosas os levaram a atingirem o auge ao alvorecer.  Enebriado pelas cartas e bebidas, propunha um brinde indecente, ação interrompida pela entrada de um criado anunciando que um estranho com muita pressa desejava falar-lhe.

Era o verdadeiro espectro de William Wilson. Segurou-o forte pelo braço, murmurou seu nome no ouvido como que anunciando sua presença protetora e desapareceu.  Tornou-se sóbrio em um segundo, perturbado pela presença e lembranças do passado, recobrando os sentidos se volta para o outro que já desapareceu.

Ficou se questionando quem seria esse William, qual seria seu objetivo?  Sabia apenas que  um acidente na família o fizera abandonar a escola do Dr. Bransby na tarde do dia em que ele teria fugido da escola.

Mudou-se para Oxford. Não tardou em criar rivalidades com os mais orgulhosos herdeiros da Grã-Bretanha. Ele fora ao extremo, superando Hérodes em suas loucuras e dissipações, acaba caindo da posição de nobreza para a de um desonesto jogador de profissão, tirando vantagem dos mais fracos para aumentar sua renda que já era muito alta.

Viveu dois anos nessa perdição, até que um calouro chamado Glendinning (um Hérodes Ático) entrou na escola e ele descobriu que esse era de fraca inteligência, marcando-o como sua nova presa.  Convidava-o a jogar e deixava ganhar altas somas,  para poder firmar sua armadilha sem deixar suspeitas.  Encontrara-o no apartamento de Preston, o qual ignorava seu intento maldoso. Convidara um grupo de mais ou menos 10 pessoas, assim a distribuição das cartas não explicitariam a vítima ingênua do logro. Ao final da noite, Glendinning era seu único adversário, os demais eram meros expectadores.

Enebriado pela bebida, Glendinning tornou-se presa fácil, lhe devia uma grande soma e propôs dobrar a aposta que Wilson aceitou com fingida relutância, levando-o a ruína total, ficando desconcertado, triste e constrangido.

Uma porta se abriu, as luzes se apagaram, e um estranho vestindo uma capa preta adentrou no recinto, e começou seu discurso: " - Senhores - disse ele, numa voz muito baixa, mas distinta, inesquecível, que atingiu a medula dos seus ossos [...]."  E foi assim que denunciou o ganhador da fortuna, mandando os presentes examinarem os seus punhos e as algibeiras do roupão, e foi embora.

Ele fora agarrado subitamente e com violência, reacenderam-se as luzes, encontraram com ele o produto da fraude (figuras essenciais do baralho, e baralhos semelhantes mas distintos por um ou outro detalhe que faziam com que ele não desse ao outro, cartas que lhe dessem vantagem.

O anfitrião apanhou uma capa preta do chão que julgava ser do jogador, alcançou-na, ordenou que se retirasse imediatamente da sua casa e sugeriu que abandonasse Oxford.

Humilhado, mas ainda aturdido, percebeu que a capa que lhe foi entregue, pertencia ao estranho que o denunciara. Era uma reprodução fiel da sua capa, colocara por cima da sua sem que ninguém percebesse, e foi embora. Nessa manhã, ao alvorecer, fugiu de Oxford, em viagem pelo continente, mas tomado de horror e vergonha.

Era uma fuga em vão, fugindo de si mesmo, seu destino perseguia-o com seu poder triunfante. Onde quer que fosse (Paris, Roma, Viena, Berlim, Moscou...)  maldizia esse Wilson que fez ele fugir da sua tirania como de uma peste, além do pânico constante que lhe infligia.

Sempre que essa proteção não desejada interferia nos seus planos, nunca mostrava o rosto. Ele não reconhecia nesse  inimigo e gênio mau seu homônimo e rival dos tempos do Colégio Bransby. 

Até então ele se submetia ao seu domínio sem reagir, embora repudiasse sua ditadura arbitrária. Mas, nos últimos tempos, abandonar-se ao vinho. Começou a resistir e livrar-se dessa escravidão. Foi em Roma, durante um carnaval, quando participava de um baile a fantasia, no Palácio do duque Di Brogglio, de Nápoles. Extrapolou na bebida e não conseguia avançar na multidão, o que aumentava sua irritação, pois procurava ansioso pela jovem alegre e bela esposa do velho Di Broglio. Como ela lhe revelara a fantasia que usaria e tendo-a avistado ao longe, apressou-se para alcança-la. Eis que uma mão pousa sobre seu ombro e ele ouve o maldito sussurro no ouvido.  Irado, voltou-se de súbito e o segurou pelo braço, lá estava Wilson, vestido como de costume, com uma roupa semelhante a sua, mas com o rosto totalmente coberto por uma máscara negra de seda.

Dirigiu-lhe um impropério de palavras Miserável, impostor, vilão maldito! Alerta que se não deixá-lo em paz, vai apunhalá-lo. E abre caminho, arrastando-o consigo. Entram, ele o atira com fúria para longe dele, cambaleia junto a parede. Ele fecha a porta e ordena que desembainhe a espada.Hesitante, Wilson cumpre a ordem. O combate foi rápido, feroz, dominou-o pela força e o golpeou no peito com uma espada, várias vezes, como para não deixar dúvidas de que esse voltaria a atormentá-lo.

Alguém tentou abrir a porta, ele apressou-se em interromper essa intromissão no local. Em sua confusão mental, parecia-lhe que um vasto espelho erguia-se a sua frente, enquanto se dirigia para esse, via sua imagem com o rosto pálido e manchado de sangue, adiantando-se para ele com um passo fraco e vacilante.

Entretanto, essa visão ofuscada enganou-o, era o próprio Wilson que diante dele se contorcia em agonia. Tudo em Wilson eram cópias imitativas suas. Este Wilson não mais sussurrava, simplesmente dizia: " - Vencestes, e eu me rendo. Mas, de agora em diante, também estás morto...morto para o mundo, para o céu e para a esperança! Em mim tu existias... e vê em minha morte, vê por esta imagem, que é a tua, como assassinaste absolutamente a ti mesmo."

Lição que o conto nos deixa:

O conto mostra que enquanto ele se deixava dominar, sofria as consequências, quando se rebela e enfrenta a situação, se faz vencedor. 

Fica-nos uma lição, aproveitar-se dos mais fracos para obter vantagem é causa de desgraça e perda de amigos, recusar conselhos ou ajuda faz com que não evoluamos e não nos tornemos pessoas melhores, enfrentar os monstros que habitam em cada um de nós, faz-nos superar os medos e lutar por algo em que acreditamos. Superioridade só serve para uma coisa, ajudar os outros a serem melhores. E se, nos piores momentos, encararmos as situações de frente, aceitando o outro com suas fraquezas e qualidades, sem medo da imagem que vemos no espelho, então nos colocamos de igual para igual, sem a pretensão de dominar ou de aceitar ser dominado. E dessa forma, não precisamos fugir do mundo, do espectro de nós mesmos.

Poe ao escrever esse conto, na verdade está falando dele mesmo. O personagem principal se confunde com o escritor, cujos estilos de vida se assemelham. Lembram que eu disse no início que Poe bebia, jogava e blasfemava, o que teria provocado sua expulsão, já que os escândalos chegaram até as famílias aristocráticas, pais dos colegas.  

3 comentários:

Odete Soares Rangel disse...

No blog http://mundoliterando.blogspot.com.br/p/biografias_11.html você encontra um vasto material sobre literatura, não só sobre Allan Poe, mas sobre outros escritores.

Existem ótimas biografias, resenhas e muito mais. Acesse-o e boa leitura.

tereza teca disse...

Bom dia. Estou fazendo um trabalho sobre o Edgar, e encontrei seu blog. Gostaria de agradecer pois as informações aqui encontradas me foram muito úteis.

Odete Rangel disse...

Boa noite,

Obrigada a vc também Tereza Teca por seu comentário. Que ótimo que o post lhe foi útil.


Grande abraço,