PLAYLIST

domingo, 28 de agosto de 2011

“Confidência do Itabirano” de Carlos Drumond de Andrade

Odete Soares Rangel
Alunosweb.com
Alguns anos vivi em Itabira.
Principalmente nasci em Itabira.
Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro.
Noventa por cento de ferro nas calçadas.
Oitenta por cento de ferro nas almas.
E esse alheamento do que na vida é porosidade e comunicação.

A vontade de amar, que me paralisa o trabalho,
vem de Itabira, de suas noites brancas, sem mulheres e        sem horizontes
E o hábito de sofrer, que tanto me diverte,
                                                   é doce herança itabirana.

De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:
este São Benedito do velho santeiro Alfredo Duval;
este couro de anta, estendido no sofá da sala de visitas;
este orgulho, esta cabeça baixa...

Tive ouro, tive gado, tive fazendas.
Hoje sou funcionário público.
Itabira é apenas uma fotografia na parede.
Mas como dói!

Itabira é uma palavra indígena que quer dizer “pedra que brilha”. Itabira é um brilho agudo na memória do poeta. No espelho temporal da prosa e da poesia drumondiana, Itabira sempre ressurge, é a miragem do que ficou perdido na infância.

O poema começa com a nostalgia do poeta em relação ao seu local de nascimento, traçado em quatro belas, mas sofredoras estrofes. Eis a origem do seu poema autobiográfico em que ele fala da sua terra natal: Itabira.

Na frase “Noventa por cento de ferro nas calçadas” pode-se compreender como sendo o ferro do mineral que existia em abundância em Itabira; já em “Por isso sou triste, orgulhoso: de ferro/Oitenta por cento de ferro nas almas” indicam temperamento, alguém muito rigoroso.

“De Itabira trouxe prendas diversas que ora te ofereço:” As prendas tanto podem significar o aspecto cultural o “São Benedito”, o “couro da anta”; quanto o aspecto existencial (o orgulho, a cabeça baixa).

“Tive ouro, tive gado, tive fazendas./Hoje sou funcionário público. Podemos inferir que ele foi uma pessoa rica e poderosa para quem outras pessoas trabalharam. Depois há uma inversão. Ele decai, passa a ser funcionário público e a trabalhar para o povo.

“Itabira é apenas uma fotografia na parede.” Ali imobilizada ela está intocável, se perdeu no tempo ou teria se mitificado “...como dói!”. Por certo foi doloroso abandoná-la, ela era sua história de vida. Lembremo-nos que ele após o incidente com o professor de português, mudou-se para Belo Horizonte com a família. De Itabira, vem a explicação de Drummond viver de “cabeça baixa” (estrofe 3, verso 6). Afinal, apesar das negatividades, o poeta sente uma incomensurável saudade de sua cidade natal.

Quer parecer que o minério que enriqueceu a cidade, embruteceu o homem, transformando-o num homem de ferro.

Também que lhe pesava a solidão, não tinha a quem amar, seu único divertimento era sofrer, mas era um doce sofrer porque lhe era imputado pela cidade que ele amava. Na estrofe 3, confessa que aprendeu a sofrer por causa de Itabira; mas, paradoxalmente: “A vontade de amar (...) vem de Itabira”. Parece válido dizer que o amor nasce e é servido no sofrimento.

Nesse auto-retrato evidenciam-se alguns traços da personalidade do poeta. Parece haver uma desesperança, o eu lírico se contém, fica indiferente e se resigna com o que lhe oferece a cidade, manifesta-se explosivo na última estrofe do poema.

6 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom , ajudando sempre, vlwwww

Odete Soares Rangel disse...

Obrigada por sua participação.
Abraço

Anônimo disse...

Obrigado pela análise.Me ajudou muito!

Odete Rangel disse...

Obrigada a você também pela visita ao blog e comentário. Que ótimo que lhe ajudou.

SE for do seu interesse, indique o blog a seus amigos.


Abraços,

Alexandre A. disse...

Perfeita analise, a história de Drummond me cativa.

Odete Rangel disse...

Bom dia a todos,

Obrigada Alexandre. A mim também.

Abraços,