PLAYLIST

domingo, 26 de junho de 2011

O encontro de Patativa com Luiz Gonzaga no céu

Odete Soares Rangel

Segundo a Wikipédia, literatura de cordel é um tipo de poema popular, originalmente oral, mais tarde impressa em folhetos rústicos ou outra qualidade de papel. Eles são expostos para venda pendurados em cordas ou cordéis, o que deu origem ao nome originado em  Portugal, que tinha a tradição de pendurar folhetos em barbantes.  

No Nordeste do Brasil são escritos em forma rimada e alguns poemas são ilustrados com xilogravuras, o mesmo estilo de gravura usado nas capas. As estrofes mais comuns são as de dez, oito ou seis versos. Os autores ou  cordelistas recitam esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados de viola, como também fazem leituras ou declamações muito empolgadas e animadas para conquistar os possíveis compradores.

Assim aconteceu quando estávamos na praia da Lagoinha, em Fortaleza, quando o cordelista Françuar Gonçalves Cruz se aproximou e começou a recitar seus versos, na intenção de vender seus livros. Ele  registrou estar com um problema de saúde e das dificuldades financeiras para custear o tratamento. Além disso, não consegue patrocínio para a publicação de seus livros, ele mesmo sai a vendê-los, mas com poucos resultados. Compramos o livro e registro uma das poesias do autor. A cantoria narra o encontro de Patativa de Assaré com Luiz Gonzaga, dois mestres na arte da liteartura e da música.

O patativa ele se foi
Ao lado de São Miguel
Falou com Luiz Gonzaga
Amostrando seu troféu
Com a vaga garantida
Com Jesus Cristo no Céu

Luiz Gonzaga me informe
Como está o senhor
Se ainda vive de sanfona
Na casa do criador
Ninguém nem come e nem dorme
Só temos paz e amor

Patativa lá no céu
Teve um grande respaldo
Pra receber uma visita
Do grande cego Aderaldo
Que mostrou muito cordel
Com ele tomou um caldo

Qual foi o último trabalho
Que você pode criar
Amigo Luiz Gonzaga
Foi vaca estrela e boi fubá
Rdo. Fagner profundo gravou
E soube bem divulgar

Me dê nótícia Aderaldo
Do poeta Zé Pretim
Que sou eu Patativa
Um artista sem pantim
Que você não ache soldo
Cantando perto de mim

Patativa aqui no céu
Tudo é diferente
Só se conversa na paz
Ninguém pode ser valente
Vamos honrar o papel
De Jesus onipotente

Patativa eu pergunto
Sorrindo agora o senhor
Eu quero que tu me diga
Assaré como ficou
Sei que o povo sentiu muito
Quando a morte me levou

Mandaram pra eu procurar
Passando lá eu procuro
Eu vejo minha bengala
Na caixa meu  óculos escuro
Mas sempre escrevi cordel
Mostrando um trabalho puro

Fizeram minha estátua
Foi um artista exemplar
Deixaram como lembrança
Na rádio dragão do mar
Com a poesia nata
No céu eu posso morar

Manuel Galdino Bandeira
Chegou com uma voz ativa
Com uma viola de madeira
Foi cantar pra Patativa
Para mostrar que no céu
A cultura está viva

Patativa eu pergunto
o Assaré como ficou
o óculo escuro que eu tinha
o meu netinho guardou
Porque só se entra puro
Na casa do Criador

Aqui tudo é diferente
Patativa do Assaré
Que só se vive de reza
Pensando com muita fé
Sei que é inteligente
Com Jesus de Nazaré

Veio o cego Mangabeira
Com Patativa falar
Patativa eu tenho pouco
Das coisas prá ti informar
Aqui não tem brincadeira
Nem forró pra dançar

Mas só que eu já sabia
Que o céu é diferente
Ninguém usa o pecado
Não tem papel indecente
Estou mostrando poesia
Prá o nosso onipotente

Patativa ele foi
Dá cultura o troféu
Quando com os outros viveu
Hoje partiu está no céu
SE encontra com o apoio
Do apóstolo São Miguel

A natureza perfeita
É uma escola da vida
O Patativa lutou
Com a pronúncia erguida
Que a alma dele é aceita
Com os outros na outra vida

Patativa está no céu
Voltou a nascer de novo
Junto com Luiz Gonzaga
Pra ele fazendo louvo
Como um artista fiel
Deixa lembrança pra o povo

Otacílio Batista
Foi um homem inteligente
Se escorva na viola
Distribuindo repente
Seu nome está na lista
Com Patativa na frente

Todo poeta fiel
Reunido ficou
Quando o grande Patativa
Com São Pedro conversou
Prá ouvir seu papel
Do artista sonhador

Ninguém pode descobrir
O segredo das outras vidas
Patativa está morando
Com nossa mãe concebida
A canção triste partida
O poema estrela da vida.

16 comentários:

Anônimo disse...

Gostaria de Homenagear esses dois grandes nordestinos, ambos amigos e poetas para sempre, quem teve a oportunidade de conhecê-los,jamais esquecerá!!! a história quiz assim e assim será!! patativa e luiz gongaza, com certeza juntos lá no céu!!!! o mundo foi testemunho e os dois agora moram juntos para sempre!!! o Adeus de todo bom nordestino seu LUA E PATATIVA DO ASSARÉ!!!

Odete Soares Rangel disse...

Obrigada pelo seu gentil comentário, concordo com você.
Sp abraço

Anônimo disse...

Estava na praia de Cumbuco/CE em 06/07/2013, dia em que se casou meu filho Bernardo, e aconteceu justo como com você, só que não mais comentou problemas de saúde mas sim o do patrocínio.

Me chamou atenção pois nas mãos de minha mulher estava o livro "O Encontro de Patativa com Luiz Gonzaga no Céu" e em minhas o livro "Recordações de Mamãezinha". Dia 23 próximo fará um ano que ela nos deixou...

Recitou alguns versos de improviso a respeito de nossa presença na praia.

Compramos o de Luiz Gonzaga mas quando devolvi o outro, ele nos disse, que éramos pessoas "do bem" e que o livro seria um presente. Com lágrimas nos olhos agradeci e aceitei.

Ele se foi enquanto o observava em sua luta diária para vender seus versos que retratam o sofrimento do povo nordestino.

Que Deus abençoe nosso irmão Françuar Gonçalves Cruz.

Ricardo Guerra

Anônimo disse...

Odete, favor acrescentar abaixo de meu nome, Ricardo Guerra, Rio de Janeiro - RJ. Obrigado.

Odete Soares Rangel disse...

Olá Ricardo Guerra
Rio de Janeiro - RJ.

Estivemos nessa praia é muito legal!Fiquei emocionada com sua sensibilidade.

Passamos a vida a ouvir que os homens são fortes e não choram. Seja homem ou mulher, não há como não nos emocionarmos com as adversidades ou coisas maravilhosas que marcam a nossa vida e a nossa história.

Que sua mãe tenha muita luz!

Obrigada por me fazer despertar mais uma vez para a dura realidade que é fazer arte no Brasil e sobreviver dela.Ainda mais sendo uma pessoa tão humilde como o seu Françuar e, apesar de morar num lugar tão lindo, acolhe um povo tão sofrido como você diz, mas ao mesmo tempo são tão alegres e acolhedores.

Obrigada por sua visita e comentário. Felicidades para toda a sua família.

Abraços,

Odete Soares Rangel disse...

Olá Ricardo Guerra
Rio de Janeiro - RJ

Como não consigo alterar a sua mensagem, acrescentei a informação na resposta do seu comentário, espero que atenda sua solicitação.

Obrigada!

Abraço,

open smoke disse...

este poeta mim criou com a venda destes livros por isso tenho muito orgulho do meu padastro e pai ao mesmo tempo françuar gonçalves cruz.

Odete disse...

Boa noite Open Smoke,

Muito legal seu comentário, expressando seu amor pelo seu Françuar. Ele fez da sua arte uma forma de sustentar a família. Como anda a saúde dele?

Obrigada pela visita ao blog.

Abraços a todos,

Vini disse...

Conheci o Senhor Françuar , vi todos livros , chorei por ver e ouvir da boca dele toda a história da vida dele ele é um dos melhores poetas 09/02/2017

Odete Rangel disse...

Boa tarde Vini,

Nós tivemos pouco contato, falou-nos mais do seu problema de saúde. Se você tiver material e queira que eu poste aqui pode me enviar.

Abraços a todos,

Unknown disse...

No dia 4 de maio de 2017 teve uma festa no ceu porque um anjo voltou para seu lugar(Françuar Gonçalves cruz)luto adeus pai

Diego Gonçalves disse...

No dia 4 de maio de 2017 o ceu fez uma festa para o meu pai porque nao se foi um homem mais sim um anjo (FRANÇUAR GONÇALVES CRUZ

Diego Gonçalves disse...

No dia 4 de maio de 2017 o ceu ficou em festa com a chegada de meu papai FRANÇUAR GONÇALVES CRUZ
LUTO ADEUS PAI

Odete Rangel disse...

Bom dia Diego,

Lamento, meus sentimentos a você e a família. Que Deus os conforte.

Ele realmente encantava com sua arte e pela sua luta de vida.

Abraços a todos,

Marina de Oliveira disse...

Passando pra avisar aos amigos que, lamentavelmente, Françuar, carinhosamente conhecido aqui em Caucaia e Fortaleza apenas como "O POETA" faleceu em maio de 2017. Em uma manhã comum, o Poeta querido fazia seu trajeto normal: pegava um ônibus do bairro Genibaú até ao terminal do Antônio Bezerra e de lá pegava outro ônibus para Caucaia e de Caucaia ainda pegava outro para a praia do Cumbuco, onde vendia seus livros. Ao atravessar a Avenida Mister Hull (que dá acesso ao terminal de Antônio Bezerra), o Poeta foi colhido por uma motocicleta e não resistiu aos ferimentos, falecendo ainda na rodovia. Sou proprietário de uma pequena gráfica onde o Poeta começou a imprimir seus livrinhos . Françuar era analfabeto e recitava os versos na hora para que eu os escrevesse de forma manuscrita e depois eu os digitava, Posteriormente, o Poeta comprou uma máquina de xerox própria pra ele, mas continuava sendo meu freguês comprando o pó para a máquina dele na minha gráfica. Sempre o apoiei, por vezes nada cobrando pelo serviço ou por produtos. O Poeta estava alegre, pois havia se curado há poucas semanas de um câncer de pele ocasionado pelas várias horas de sol que ele pegava na praia para ganhar seu pão. O Poeta era natural do município cearense de Orós e deixou alguns filhos que residem no bairro Genibaú, em Fortaleza-CE. Sempre foi muito honesto, trabalhador, e sustentava toda a sua casa com sua arte, seu dom. Exímio contador de histórias, inventava poemas na hora pra quem quisesse sobre qualquer tema. Um homem que fará falta. Fiquei com um exemplar de seu livro chamado "Os Sonhos Do Poeta" e irei escaneá-lo em breve e encaminhá-lo ao Google Books, de forma que sua arte fique guardada para sempre e que o mundo conheça quem foi FRANÇUAR GONÇALVES CRUZ, NOSSO QUERIDO "PUETA"

Odete Rangel disse...

Boa noite Marina,

Eu já sabia do ocorrido, mas não da forma como ocorreu. Lamentável.

Obrigada por dividir essas informações, é sempre bom agregarmos novos fatos aos posts.

Ele era de uma simplicidade e alegria únicos.

Abraços a todos,